sábado , outubro 23 2021
Home / Notícias / Nacional / Mulher acusada de matar o marido no DF é solta em audiência de custódia

Mulher acusada de matar o marido no DF é solta em audiência de custódia

Ana Cláudia contou à polícia que estava em casa com o companheiro, Jonathan Francisco Scheidt da Silva, quando os dois começaram a discutir. O homem teria lhe dado um soco no peito e tentado enforcá-la Jonathan Francisco Scheidt da Silva morreu na UPA do Recanto das Emas – (crédito: Redes sociais)

mulher acusada de esfaquear e matar o marido a facadas ganhou liberdade provisória durante audiência de custódia realizada de forma virtual nesta sexta-feira (4/6). Ana Cláudia de Morais, 25 anos, foi presa nesta quinta-feira (3/6) pela Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), poucos minutos depois do crime, dentro da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do Recanto das Emas.

O crime aconteceu no fim da manhã de quinta-feira (3/6). Em depoimento na 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas), Ana Cláudia afirmou que estava em casa com o companheiro, Jonathan Francisco Scheidt da Silva, 24, quando os dois começaram a discutir, momento em que, segundo ela, o homem a teria lhe dado um soco no peito e tentado enforcá-la. Após ser solta, Ana Cláudia foi até a cozinha, pegou uma faca com serra e desferiu contra o peito do rapaz.

Durante a audiência, o juiz que presidiu a sessão, Newton Mendes de Aragão, entendeu que, “apesar da gravidade dos fatos, há indicativos que antes da conduta em si houve uma briga com investida física, o que recomenda prudência com eventual adoção de medidas cautelares mais drásticas”. A defesa de Ana Cláudia se manifestou pela concessão da liberdade provisória, sem a fixação de fiança.

“Não há indicativos concretos de que o custodiado pretenda furtar-se à aplicação da lei penal, tampouco de que irá perturbar gravemente a instrução criminal ou a ordem pública”, justificou o juiz ao conceder a liberdade provisória. A mulher, no entanto, terá de cumprir algumas medidas cautelares. Ela terá de comparecer a todos os atos do processo e está proibida de ausentar-se do DF por mais de 30 dias ou de mudar de endereço sem comunicar a Justiça.

O caso

Ainda durante o interrogatório, a mulher disse que, ao ver a quantidade de sangue, se arrependeu e levou o homem até a Unidade de Pronto-Atendimento do Recanto das Emas (UPA). Policiais militares foram acionados por funcionários do posto sobre o ocorrido e chegaram ao local poucos minutos depois, quando localizaram a jovem e a prenderam em flagrante.

A acusada foi autuada por homicídio. A faca utilizada no crime foi apreendida, bem como o carro da autora, um Renault Clio branco.

Fonte: www.correiobraziliense.com.br

Postado: Pelo repórter Michel Dantas do site caririverdade.com

Deixe uma resposta