sábado , dezembro 15 2018
Home / Notícias / Política / ‘Não é só traficante, é pegar o colarinho branco’, diz General Theophilo

‘Não é só traficante, é pegar o colarinho branco’, diz General Theophilo

O futuro secretário nacional de segurança pública afirma que hoje o mercado de entorpecentes tem a participação de políticos, juízes e até militares

Guilherme Theophilo afirma que uma de suas prioridades será identificar “gente do colarinho branco” envolvida no tráfico de drogasFoto: Saulo Roberto

Escolhido para coordenar uma das bandeiras eleitorais de Jair Bolsonaro (PSL), o general da reserva Guilherme Theophilo afirma que uma de suas prioridades será identificar “gente do colarinho branco” envolvida no tráfico de drogas.

À reportagem, o futuro secretário nacional de segurança pública afirma que hoje o mercado de entorpecentes tem a participação de políticos, juízes e até militares. “Nós temos de pegar quem está usando o crime organizado para se eleger”, disse.

Contrário à intervenção federal no Rio de Janeiro, ele informou que se reunirá na semana que vem com o general Braga Netto para discutir a desmobilização do efetivo militar. “Acredito que no dia 31 de dezembro esse processo termine. E, no dia 01 de janeiro, seja entregue a chave aos órgãos de segurança pública”, afirmou.

Confira abaixo trechos da entrevista:

O presidente eleito fez algum pedido ao senhor?

Ele me ligou convidando [para o cargo]. Sou da mesma turma do Bolsonaro e fomos paraquedistas juntos. Temos a vida toda, até o momento que ele saiu do Exército, de companheirismo. Ele me perguntou se eu aceitaria e eu disse que aceitava. Eu quero que esse governo dê certo e vou colaborar com o presidente eleito, que é um amigo.

Já elencou qual será a prioridade na segurança pública?

Nós temos de ter um tripé na segurança pública que se baseia em inteligência integrada com países vizinhos, tecnologia de ponta e a melhora da fiscalização de fronteiras, portos e aeroportos, nos pontos de entrada e saída de nosso país.

O senhor já disse que é contra a intervenção federal. Sem ela, como combater a criminalidade no Rio de Janeiro?

Eu acho que reforçando a segurança pública com o melhor treinamento das forças policiais e investimento na tecnologia. A gente tem de matar as facções criminosas por inanição, tirando delas a droga, que é o que as mantém em rotatividade. E não é só pegar o traficante, é pegar o colarinho branco. Tenho certeza que, com o ministro Sergio Moro, vamos pegar o alto escalão que coordena, que são os grandes barões da droga.

O mercado das drogas tem envolvimento de políticos?

Eu acho que tem envolvimento de gente grande, gente do colarinho branco. Com certeza temos políticos, juízes e militares, tanto das forças auxiliares como das Forças Armadas. Então, a sociedade está contaminada. Nós temos de prender essas pessoas que dominam, que são os mais inteligentes. Nós temos de acabar com o traficante comandando de dentro dos presídios.

É favorável que os presos de alta periculosidade tenham suas conversas monitoradas, inclusive com seus advogados?

Com toda certeza, dentro do parlatório. Não tenho dúvida que isso é algo básico.

O colarinho branco envolvido na criminalidade pública será um dos focos do senhor?

Sim, eu vi municípios no interior do Ceará que quem domina é o traficante. O ídolo do município é o traficante. Porque ele defende que ninguém entre lá. Se roubam uma moto, ele descobre e faz justiça com as próprias mãos. E participaram da campanha eleitoral, elegendo políticos. Então, nós temos de pegar quem está usando o crime organizado para se eleger.

A intervenção no Rio de Janeiro deve ser revogada já a partir da posse do novo presidente?

Sim, desde o início, ainda membro do alto comando do Exército, fui contra. Em oito meses, não se vai resolver o problema no Rio de Janeiro, que foi o prazo da intervenção. Tem de passar por uma reestruturação completa da segurança pública. Havia interesse político de não votar a reforma previdenciária.

Não acha que uma saída abrupta pode ser explorada por organizações criminosas?

Eu acredito que o planejamento do general Braga Netto já está prevendo uma desmobilização gradual, como o ocorrido no Haiti.

Em quantos meses deve ser feita a desmobilização?

Já estão trabalhando nisso e diminuindo as operações. Acredito que no dia 31 de dezembro esse processo termine. E, no dia 1º de janeiro, seja entregue a chave aos órgãos de segurança pública.

O senhor discutirá o tema com o interventor federal?

Eu marquei uma reunião com ele no dia 13 de dezembro no Rio de Janeiro.

O governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, defendeu o abate de indivíduos portando armas pesadas. O senhor pensa como ele?

Depende da situação. O indivíduo está com arma pesada em que situação? E se ele, em um confronto, apontar a arma pesada?

Então, só comprovando que seja um criminoso?

Claro, comprovado que o indivíduo seja perigoso e que fará resistência à atividade policial.

Fonte: Diário do Nordeste

Postado: Pelo repórter Michel Dantas do site caririverdade.com

Deixe uma resposta