quarta-feira , maio 22 2019
Home / Notícias / Famosos / Há 80 anos, morria o maior bandido do Brasil

Há 80 anos, morria o maior bandido do Brasil

Lampião, Maria Bonita e o bando de cangaceiros

Por 16 anos, Virgolino Ferreira da Silva foi o terror dos sertões. Nenhum criminoso espalhou tanta violência por tanto tempo, com tanto sucesso. Sua morte, em 28 de julho de 1938, marcou o fim de uma era que definiu social e até esteticamente os sertões. A ideia que se tem de Nordeste passa por Lampião. Confira série de reportagens sobre o rei do cangaçolampiao-chandler

Em 29 de julho de 1938, o New York Times publicou que “one-eyed Lampeão”, “one of the most ruthless killers of the Western World, havia sido morto. O mais prestigioso jornal do mundo se referia ao “Lampeão de um olho só” como “um dos mais temíveis cangaceiros do mundo ocidental”.

Na orelha do livro do historiador Billy Jaynes Chandler, que escreveu o que talvez seja a mais importante obra sobre o cangaceiro, é dito: “O que Jesse James foi para os Estados Unidos, Lampião foi para o Brasil, e até mesmo em dose mais forte”. Soaria provinciano, não fosse a obra de um americano.

Passados 80 anos, não se tem a dimensão do interesse e curiosidade mundiais despertados pelo chefe de um bando criminoso que nunca pisou numa capital de estado e restringiu suas atividades às regiões mais pobres de um País então ainda mais periférico. Durante 16 anos, foi o criminoso mais temido, procurado e também admirado dos sertões. Não há paralelo em trajetória tão duradoura e bem-sucedida nesse tipo de atividade.capa-lampiao-opovo

No mesmo dia em que a notícia estava no New York TimesO POVO trazia em manchete: “Decapitados Lampeão, sua mulher e nove comparsas”. A informação foi festejada mesmo em locais dos quais o cangaceiro jamais chegara perto. “A notícia, como era natural, causou viva sensação no Rio, cuja população aguardou com enorme ansiedade sua confirmação”, informou O POVO naquele dia. A festa na então capital federal era previsível, pois o combate ao cangaço se tornara questão de Estado para o governo Getúlio Vargas. Estava em seu começo a ditadura do Estado Novo – e nada era mais velho e atrasado que o cangaço.

A ansiedade quanto à confirmação, relatada pelo O POVO, era previsível. Em pelo menos oito ocasiões, houve informações falsas sobre a morte do “rei do Cangaço”. A última delas havia surgido em Sergipe e divulgada em 12 de janeiro no O POVO e um dia depois no New York Times: “Nº 1 bad man dies in his bed in Brazil” – “homem mau número um morre em sua cama no Brasil. A informação, equivocada, apontava que Lampião teria sido vitimado por tuberculose.2

A notícia da morte no New York Times mostra que a fama do cangaceiro ia muito além do Nordeste e do Brasil. E o fato de o boato sobre sua morte ter sido veiculado antes demonstra que o interesse por ele não era esporádico. Virgolino Ferreira da Silva – conforme a grafia com “O” de sua certidão de nascimento – era personagem sem paralelo no Ocidente. Para os estrangeiros, tratava-se de curiosidade pitoresca. Para os Estados Unidos, soava como reminiscência do Velho Oeste.

 

Para o sertanejo, era personagem algo que lendário. Atribuíam-se a ele poderes místicos, “corpo fechado” para tantas vezes ter escapado. Ao morrer, falou-se que teria sido envenenado com vinho. Décadas depois, dizia-se que ainda estava vivo e refugiado no então pouco povoado estado de Goiás. O cangaço – e seu “rei – influenciaram decisivamente a ideia que se faz de Nordeste, inclusive esteticamente. A mitologia em torno de Lampião criou ainda a imagem, até hoje difundida, de um “bandido social”, um Robin-Hood dos sertões. Não era bem assimWhatsApp Image 2018-07-21 at 20.23.28.

Lampião não morreu de tuberculose, tampouco pelas mãos de algum de seus inimigos mais empenhados, corajosos ou competentes. A ação que finalmente o matou foi liderada por policial suspeito de colaboração com criminosos e teve muito de acaso.

A partir do acervo do O POVO e do livro de Chandler, O POVO Online inicia série de reportagens sobre os 80 anos da morte do rei do cangaço, o alcance da violência que espalhou e a marca que deixou no imaginário dos sertões.

João Bezerra, sentado em posição proeminante na fileira da frente, com sua tropa. (Foto: Instituto Histórico de Alagoas)

Ao longo dos 16 anos nos quais foi o principal criminoso dos sertões, Virgolino Ferreira da Silva acumulou muitos inimigos que o combateram com destemor e empenho. Para desgosto de vários deles, Lampião  veio a morrer pelas mãos de alguém que não era referência de coragem nem honestidade, era suspeito de colaborar com os cangaceiros e liderou o ataque em Angicos quase por acaso.joao-bezerra-tropa-instituto-historico-maceio

Dois caminhos para percorrer os percursos de Lampião

 

Pelo tempo ou pela geografia, confira duas maneiras de conhecer a trajetória do rei do cangaço

 

Os itinerários de Lampião demarcam um mapa próprio de violência pelos sertões. Certa feita, chegou a declarar que sonhava ser governador. Gostaria de administrar um novo estado sertanejo, formado com parcelas de Pernambuco, Alagoas, Bahia e Sergipe. Nunca pisou em capital alguma.Sem títulofdgfgv Com ferramenta de georreferenciamento do Google, o mapa abairo elenca 84 momentos da vida do maior dos cangaceiros, situados conforme a localização geográfica. Separado por cores e camadas, o mapa mostra episódios de guerra e paz marcantes na trajetória. E dá a noção da extensão do terror que varreu os sertões.

O povo

Postado: Pelo repórter Michel Dantas do site caririverdade.com

Deixe uma resposta