terça-feira , outubro 16 2018
Home / Notícias / Política / Ciro discute com líderes do PDT estratégia de apoio no segundo turno

Ciro discute com líderes do PDT estratégia de apoio no segundo turno

Nesta segunda-feira (8), o presidenciável irá se reunir com o presidente nacional do partido, Carlos Lupi, e com o líder do partido na Câmara dos Deputados, André Figueiredo

Após o resultado, Ciro Gomes fez questão de dizer que não há hipótese de um apoio ao candidato do PSL, Jair BolsonaroFoto: José Cruz/Agência Brasil

No dia seguinte ao anúncio do resultado do primeiro turno, o candidato do PDT à sucessão presidencial,Ciro Gomes, começou a discutir que postura adotará na segunda fase da campanha eleitoral.

O irmão do presidenciável, senador eleito Cid Gomes (PDT-CE), defende que Ciro não se precipite, mas também não demore muito para anunciar uma posição, já que o segundo turno tem duração de apenas três semanas. “Eu defendo que ele acalme agora, ouça as pessoas, avalie o cenário e só depois defina uma posição. Mas ele também não pode demorar muito”, disse à reportagem.

Nesta segunda-feira (8), Ciro irá se reunir com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, e com o líder do partido na Câmara dos Deputados, André Figueiredo(CE). A tendência, segundo o entorno do presidenciável, é de que ele só faça um anúncio entre quinta-feira (11) e sexta-feira (12).

Derrotado com um desempenho inferior ao que esperava, Ciro deve apoiar o adversário do PT,Fernando Haddad.

Após o resultado, minutos depois de ter falado por telefone com o petista, o pedetista fez questão de dizer que não há hipótese de um apoio ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro, a quem atacou o primeiro turno inteiro. “Ele não, sem dúvida”, disse.

O anúncio, contudo, deve ser feito de maneira protocolar, sem uma adesão imediata a uma eventual gestão petista.

A ideia é que ele repita o formato adotado porMarina Silva na disputa presidencial de 2014, quando ela informou um apoio, mas não uma aliança, com Aécio Neves, do PSDB, no segundo turno da disputa eleitoral.

A estratégia é tentar, assim,blindar a sigla de acusações de que ela atua por interesses fisiológicos. O grupo do pedetista espera, contudo, que os petistas façam acenos na incorporação de propostas de Ciro, como o programa de renegociação da dívida de cidadãos inadimplentes, o “SPCCiro”.

A aproximação entre PT e PDT é feita pelo senador eleito Jaques Wagner, do PT, e por Cid Gomes. O ex-secretário municipal de Haddad Gabriel Chalita, filiado ao PDT, também deve participar da costura de um acordo.

Fonte: Diário do Nordeste

Postado: Pelo repórter Michel Dantas do site caririverdade.com

Deixe uma resposta