segunda-feira , fevereiro 17 2020
Home / Destaque / Após assalto, mulher é morta a golpes de martelo quando saía para trabalhar, em Maranguape

Após assalto, mulher é morta a golpes de martelo quando saía para trabalhar, em Maranguape

De acordo com a polícia, o principal do suspeito do crime é vizinho da vítima. O corpo dela foi encontrado despido em um prédio abandonado; suspeito foi preso

Claudiana Teixeira da Rocha, de 35 anos foi encontrada morta em um imóvel abandonado em Maranguape
Foto: Arquivo pessoal

Uma mulher foi assaltada e assassinada a marteladas na madrugada desta segunda-feira (3), quando saía para o trabalho, em Maranguape, na Região Metropolitana de Fortaleza. Ela foi encontrada despida perto da roupa que usava na noite em que aconteceu o crime. Em decorrência disso, a Polícia Civil também investiga se ela foi vítima de abuso sexual. O vizinho dela, suspeito do assassinato, já foi capturado, segundo a polícia.

De acordo com o delegado Jurandir Braga Nunes, a vítima identificada como Claudiana Teixeira da Rocha, de 35 anos, estava a caminho da parada de ônibus para ir trabalhar por volta de 4h30, quando foi abordada por dois homens que anunciaram o assalto e pediram o celular dela.

Ainda segundo o delegado Braga Nunes, a Polícia Civil investiga se os suspeitos, dos quais apenas um foi identificado como Francisco Renan Moreira Silva, de 18 anos, que era vizinho da vítima, tenham praticado o crime por terem sido reconhecidos por ela no momento do assalto.

Renan foi preso e levado para a Delegacia Metropolitana de Maranguape. O suspeito já tinha passagens pela polícia quando era adolescente. Renan responde por homicídio culposo, tráfico de drogas e roubo e agora foi autuado em flagrante por homicídio doloso. O comparsa dele é considerado foragido.

O próprio Renan, segundo a polícia, foi vítima de tentativa de homicídio por três pessoas que também foram capturadas no momento em que torturavam o suspeito. Os dois adultos foram autuados pelo crime de tortura, enquanto o adolescente vai responder a um ato infracional semelhante a tortura. Ele foi levado para a Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA).

Fonte: Diário do Nordeste
Postado: Pelo repórter Michel Dantas do site caririverdade.com

Deixe uma resposta