terça-feira , abril 7 2020
Home / Notícias / Nacional / Aos 61 anos, jardineiro é aprovado em universidade e foto da mãe de 91 raspando cabelo do filho viraliza

Aos 61 anos, jardineiro é aprovado em universidade e foto da mãe de 91 raspando cabelo do filho viraliza

A história do mais novo estudante de Enfermagem fez sucesso na internet após a divulgação de uma foto tirada na última quinta-feira, 30, dia do listão da UFPA, que mostra Alcyr tendo o cabelo cortado pela mãe de 90 anos

Alcyr teve o cabelo cortado pela mãe de 90 anos (Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal)

Acreditar na educação como um transformador social é quase uma religião para algumas pessoas. Uma delas é o paraense Alcyr Atíde Carneiro, 61, que foi aprovado na Universidade Federal do Pará (UFPA) para o curso de Enfermagem. Morador do bairro do Coqueiro, em Belém, Alcyr cedeu entrevista ao G1 Pará e contou sobre sua trajetória até conseguir a aprovação em uma universidade pública.

Alcyr já foi recenseador, trabalhou com serviços gerais e cobrador de ônibus. Atualmente, para manter a renda da família, composta por ele e a mãe, Alcyr corta grama em quintais. Vivendo em uma casa de madeira alugada, ele viu nos estudos uma oportunidade para melhorar a situação financeira que se encontra.
Em março do ano passado, já decidido sobre retomar os estudos, Alcyr se matriculou em um cursinho pré-vestibular. Dividindo sala com alunos entre 16 e 18 anos, ele assistia as aulas no período da tarde, após a manhã “árdua” de trabalho. Para ajudar a custear a mensalidade, Alcyr conta ao G1 que precisou, inclusive, trabalhar na limpeza da escola.

A história do mais novo estudante de Enfermagem fez sucesso na internet após a divulgação de uma foto tirada na última quinta-feira, 30, dia do listão da UFPA, que mostra Alcyr tendo o cabelo cortado pela mãe de 90 anos.

Alcyr soube da aprovação através do rádio o resultado do processo seletivo. “Joguei o rádio na parede de tanta emoção, saí correndo de bermuda na rua, gritando, tanto que até hoje estou rouco, procurei minha mãe e só consegui abraçá-la, sem conseguir falar”, disse o paraense ao G1.

Escolha do curso

A escolha do curso começou, ainda que de forma involuntária, quando um sobrinho dele, médico, fez a doação de algumas roupas já que ele “não tinha muitas condições de comprar muitas roupas”.

Além disso, Alcyr afirma que por conta das experiências passadas criou “uma simpatia pela área da saúde”. E completou dizendo que enxerga o estudo como algo que dá alegria e satisfação. “Eu acreditei que a educação é capaz de transformar a vida das pessoas”.

Fonte: O POVO
Postado: Pelo repórter Michel Dantas do site caririverdade.com

Deixe uma resposta