Gasolina nas refinarias da Petrobras atinge maior preço da era de reajustes quase diários

0
9

Preço médio praticado pela estatal foi elevado para R$ 1,6968 por litro, superando a máxima anterior de R$ 1,6917, registrada no início de janeiro.

(Foto: Reprodução/TV Cabo Branco)

O preço médio da gasolina praticado pela Petrobras nas refinarias foi elevado em 0,8% nesta quinta-feira (12), atingindo o maior nível da nova era de reajustes quase diários, iniciada em julho do ano passado, enquanto a cotação do diesel renovou sua máxima, refletindo a escalada do petróleo no mercado internacional.

A partir desta quinta-feira, a gasolina nas refinarias está cotada em R$ 1,6968 por litro, superando a máxima anterior, de R$ 1,6917 observada no início de janeiro.

Já o preço do diesel, que subiu 2%, está agora em R$ 1,9549 por litro, acima do R$ 1,9169 de quarta-feira, quando já havia registrado o maior patamar desde o início da nova sistemática de formação de preços pela petroleira estatal.

Com essa política, que visa seguir as oscilações do mercado internacional, entre outros fatores, a Petrobras busca manter sua competitividade e uma melhor posição no mercado de combustíveis, evitando que as suas cotações fiquem abaixo da paridade externa.

O repasse dos reajustes aos consumidores finais depende da estratégia das distribuidoras e revendedores.

O petróleo vem avançando em meio a uma demanda fortalecida, a um acordo de corte de oferta liderado pelo cartel de produtores da Opep e pela Rússia e, mais recente, pelas tensões geopolíticas no Oriente Médio.

Como resultado, a referência internacional da gasolina também vem subindo, com alta acumulada de cerca de 22% desde uma mínima do ano, registrada em meados de fevereiro.

No Brasil, desde julho do ano passado, quando os reajustes passaram a ser praticamente diários, a alta acumulada para os preços do diesel e da gasolina nas refinarias da Petrobras é de 24,07% e 22,61%, respectivamente.

Procurada, a Petrobras não comentou o assunto imediatamente. Sobre o preço na bomba, a estatal tem destacado, inclusive em campanhas publicitárias, que responde por apenas cerca de um terço do preço da gasolina, por exemplo. O restante do valor estabelecido nos postos inclui tributos e margens de distribuidores e revendedores.

Fonte: G1

Postado: Pelo repórter Michel Dantas do site caririverdade.com

SEM COMENTÁRIOS